Um blog de poemas que não querem ficar esquecidos

21
Mar 11

 

Olhei-te em contos de fadas e finais felizes,

E colhi as flores do quintal do vizinho,

Que ele não se importa,

 

Sabia que estavas em casa, toquei a campainha

E abriste a porta,

 

Sem te deixar respirar,

Dei o que tinha para dar,

E disse o que tinha a dizer,

 

Mas por debaixo dos teus ondolados cabelos,

E da pintura borrada,

Estavam lágrimas a escorrer,

 

Perguntei o que tinhas,

Disseste que sabias

Que o amor que tinha escrito nestas linhas,

Era teu,

 

Entrei, fechaste a porta,

Disseste-me para devolver as plantas à horta,

Que não cheiravam a rosas sequer,

 

Vi-te triste,

Amargurada,

De angústia pendurada,

No canto do olho,

 

E quis entender,

Juro que quis,

 

E agora ainda tenho que ouvir o vizinho...

 

by Ruben Teixeira

 

"Obrigado a tudo o que me inspira"

publicado por r-de-rir às 11:18

 

Contei aos papeis os meus segredos,
E guardei a caneta entre os dedos,
Que há sempre mais um a contar,

Fiz da tinta a confissão,
Em quadras a razão,
Dos pecados a confessar,

Dei por mim com livros feitos,
De virtudes e defeitos,
Que não quis mais olhar,

Eram páginas intensas,
De memórias imensas,
Que não quero mais recordar,

Peguei em folhas nuas,
E vesti-as de trapos rotos,
Como poemas,

Dei voz aos meus problemas.

 

by Ruben Teixeira

 

"Obrigado a tudo o que me inspira"

 

 

publicado por r-de-rir às 11:09

 

Parto os partidos em partes diferentes,

Diferentes partes os partidos parti,

Parto cacos pedaços de partes partidos,

Partidos os cacos em padaços que parto,

 

Quebrei as quebras que quebradas estavam,

Quebradas estavam as quebras espalhadas,

Espalhei os pedaços quebrados em cacos,

Em cacos quebrei as quebras quebradas.

 

Escangalhei as partes partidas em pedaços,

Pedaços de partes quebradas espalhadas,

Partes de quebras partidas quebradas,

Cacos pedaços de partes escangalhadas.

 

 

By Ruben Teixeira

 

"Obrigado a tudo o que inspira"

publicado por r-de-rir às 10:47

 

Plantei uma semente no quintal,

Esperei vê-la crescer, reguei-a como tal,

E de olhos atentos a contemplo,

 

Rasga a terra doce, como se fosse

Crescer infinitamente,

E vem ver o sol nascente,

 

Quanto mais crescia mais se via,

Da planta que era a minha alegria,

Era bela, mais que tudo,

 

De talo forte e pétalas macias,

Era assim que a querias,

Se bem sei,

 

Colhi-a para te a oferecer,

O mais que tudo que tinha feito crescer,

E adoraste,

 

Mas quando a olho agora,

Seca e engelhada, como o nosso amor,

 

Não a regaste, e estragas-te

A mais bela flôr,

 

Plantei outra semente no quintal,

E esperei...

 

by Ruben Tavares Teixeira

 

"Obrigado a tudo o que me inspira"

publicado por r-de-rir às 10:43

 

Cometas prateados, bebo o néctar das estrelas,

Ao luar de madrugada estou só, a vê-las,

E penso nas voltas que dou nos lençois,

 

Não durmo, por estar em ti,

Longe de tudo o que me rodeia,

De tudo o que está aqui,

Em nada me conservo e de tudo me reservo,

 

No espaço há o silêncio,

E no silêncio não há espaço,

Estou apertado e não me consigo mover,

 

Não vivo por não te viver,

Gravidade zero na minha atmosfera,

Leve como penas e suave em sapatilhas,

Assim eras,

 

A última pincelada na tela escura,

Deu luz á minha loucura,

E vi-te passar estrela cadente,

Não te agarrei impotente,

Mas desejei-te.

 

By Ruben Tavares Teixeira

 

"Obrigado a tudo o que me inspira"

 

 

publicado por r-de-rir às 10:40

Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO